«

Jul 06

Livro Parnaso de Além-Túmulo

Parnaso de Além-Túmulo foi o primeiro livro psicografado por Francisco Cândido Xavier e lançado em 06 de julho de 1932, pela Federação Espírita Brasileira, na sua primeira edição com sessenta poemas atribuídos a quatorze poetas brasileiros, quatro portugueses e um poeta anônimo denominado “Um desconhecido”.

A partir da segunda edição, publicada em 1935, foram sendo gradualmente incorporados novos poemas, e novos autores eram acrescentados e alguns poemas foram suprimidos à obra até à 6ª edição, publicada em 1955, quando estabilizou-se a quantidade de poemas em duzentos e cinquenta e nove, atribuídos a cinquenta e seis autores luso-brasileiros, entre renomados e anônimos, que se manifestaram através do médium, com suas características e estilos próprios, alguns inconfundíveis.

Essa obra, até hoje causa polêmica, constituindo-se como um desafio à ciência e teoria da literatura, como produção de uma prova da reencarnação e/ou comunicação entre vivos e mortos contrapondo-se, no plano da teoria da literatura às dificuldades da definição de criação e autoria, considerando também a qualidade da obra literária e o mérito da capacidade humana…

Quando o livro foi lançado, o médium tinha 21 anos, apenas a 4ª série primária. Chico Xavier, além de afirmar que a autoria dos poemas não lhe pertencia, reverteu todos os direitos autorais para a Federação Espírita Brasileira.

A obra foi objeto de estudo de mestrado em Literatura na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em 2001. Seu autor, Alexandre Caroli Rocha, que diz “ Analisando o histórico das edições, cheguei à conclusão de que sua versão final pretendeu abranger, sob a forma poética, os principais temas de O livro dos Espíritos, de Allan Kardec.” (Mariana Fridman/RBN).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>